PRF resgata 421 aves em situação de maus-tratos na Bahia

50
Foto: Nucom / PRF/BA

Filhotes de papagaio, periquitos e aves de outras espécies estavam mantidos aprisionados em cativeiro e preparados para serem comercializados nos estados de São Paulo e Rio de Janeiro

A Polícia Rodoviária Federal foi acionada pelo Inema (Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos da Bahia), em Itabuna, para averiguar uma denúncia de crime ambiental. A informação que chegou é que centenas de pássaros silvestres eram mantidos aprisionados em um imóvel situado em São João do Paraíso (Mascote), na Região Sul da Bahia.

Prontamente, equipes da PRF e do Inema diligenciaram e saíram para o local indicado. Ao adentrarem na residência, constataram a situação evidente de maus-tratos a animais silvestres.

Espalhados pela casa, foram encontrados pássaros de diversas espécies conhecidas popularmente como cardeal, pássaro preto, papa capim, coleira, azulão, sofrê, canário da terra, trinca ferro, tico tico e sabiá, além de uma grande quantidade de filhotes de papagaios e periquitos com apenas algumas penugens sobre o corpo.

Os animais estavam amontoados em caixas de papelão, gaiolas e viveiros, e em condições precárias de falta de higiene (cobertas com fezes e urina), sem água, com restrição de movimento, privação de luz e sem circulação de ar. Muitos estavam desidratados e debilitados e alguns já foram encontrados mortos.

Também foram apreendidos diversos apetrechos utilizados na captura ilegal desses animais.

Dando continuidade às incursões, os PRFs encontraram no imóvel vizinho uma quantidade expressiva de galos de rinha. Esses animais são utilizados em competições ilegais, para duelarem entre si, muitas vezes até a morte.

Ao todo foram resgatadas 413 aves silvestres, sendo que 08 morreram. Todos foram encaminhados para o CETAS de Cruz das Almas. Lá eles serão triados, alimentados e tratados por equipes de veterinários e biólogos, onde passam por um processo de reabilitação para voltarem à liberdade.

Já os 42 galos foram entregues na sede da Cavalaria do 15° do CPM-BA.

O responsável pelo aprisionamento ilegal dos animais foi identificado e a ocorrência foi apresentada na Delegacia de Polícia Civil, em Mascote, para instauração do inquérito policial e demais procedimentos cabíveis.

Além da PRF, participaram da operação a Polícia Militar da Bahia, através da Cavalaria do 15º CPM, o Inema, o Cetas, a Prefeitura de Camacan e a Guarda Civil Municipal de Mascote.

Fonte: Nucom / PRF/BA